cv

cv

quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

Funcionária de agência boliviana questionou plano de voo da LaMia




teve acesso ao plano de voo do avião da LaMia que caiu com a delegação da Chapecoense, na madrugada de terça-feira, e a um documento com um relato de uma funcionária da da Aasana, a agência nacional de aviação da Bolívia. Segundo os documentos, Celia Castedo Monasterio questionou o piloto Miguel Quiroga sobre a autonomia do avião para o trajeto. Ela alertou que a capacidade de armazenamento de combustível da aeronave não era adequada para o plano de voo determinando e que faltava um plano alternativo, pois a quantidade de combustível seria insuficiente em caso de emergência. 



Plano de voo da LaMia (Foto: Reprodução)Plano de voo da LaMia (Foto: Reprodução)
A principal observação da funcionária teria sido com o tempo de voo entre Santa Cruz de la Sierra e Medellín. Celia alertou a um despachante da companhia que a duração era igual à autonomia de combustível da aeronave. Segundo os documentos aos quais o jornal teve acesso, o tempo de rota era de 4h22min, assim como a autonomia. Em resposta, o despachante disse ter conversado com o piloto, que insistiu na realização do voo, afirmando que a autonomia era suficiente e que faria a viagem em menos tempo.
- Não, senhora Celia, essa autonomia me passaram, é suficiente. Assim, não apresento mais nada. Vamos fazer em menos tempo, não se preocupe. É assim, fique tranquila, está bem.
A funcionária da Aasana não tinha autoridade para impedir a realização do voo. Esta responsabilidade cabia à Departamento de Aviação Civil da Colômbia. A agência ainda não se manifestou sobre o caso. Celia Castedo foi afastada de suas funções nesta quinta-feira.
Acidente avião chapecoense  (Foto: Agência Reuters)Acidente com avião da Chapecoense matou 71 pessoas (Foto: Agência Reuters)
Um comandante entrevistado pelo jornal boliviano "El Deber" criticou o plano. Segundo ele, a autonomia não deveria ser igual ao tempo de voo.
- Quando se faz um plano de voo, se deve contemplar a carga de combustível para ir desde o ponto de decolagem ao destino. Além disso, se deve contemplar o tempo que demoraria chegar a um aeroporto alternativo em caso de emergência ou de reabastecimento, somado a 45 minutos de autonomia no ar diante de qualquer eventualidade – disse o comandante, que não teve seu nome revelado e que classificou o plano de voo como uma “cadeia de erros”.
IML Medellín (Foto: Vicente Seda / GloboEsporte.com)IML de Medellín já identificou corpos (Foto: Vicente Seda / GloboEsporte.com)
A Chapecoense espera dar início ao velório coletivo das vítimas do acidente aéreo nesta sexta-feira. Havia uma previsão inicial para as 12h, mas que foi adiado em função de alguns atrasos. O Verdão acredita que as celebrações comecem entre o fim da tarde e o início da noite. Segundo o clube, há uma força-tarefa de funerárias em Medellín, na Colômbia, para o embalsamento dos corpos identificados e o posterior embarque ao Brasil.
O Verdão agora trabalha na estrutura da Arena Condá para receber cerca de 100 mil pessoas na despedida. Por metidas de segurança, os torcedores podem ficar apenas na área das arquibancadas e não circulariam entre os caixões. Dois telões devem ser colocados fora do estádio com imagens do velório.
Arena Condá Chapecoense (Foto: Diego Madruga)Arena Condá se prepara para receber vítimas (Foto: Diego Madruga)
Uma preocupação do clube catarinense é com o trajeto do aeroporto até o estádio. Em função da comoção da cidade e das pessoas que devem acompanhar os veículos de transporte, a Chape trabalha com a ideia de que os oito quilômetros de distância possam ser feito em cerca de duas horas.
Antes do velório coletivo haverá um tempo reservado aos familiares. A programação é de que 45 minutos para os entes e depois os torcedores podem fazer as homenagens. Os corpos sepultados na cidade devem ficar até oito horas na Arena Condá. Os que seguirão para outras cidades a expectativa é de quatro horas.
Na manhã desta quinta, profissionais do clube e voluntários se dedicaram à limpeza da Arena Condá. Com muito lixo em função da homenagem na noite de quarta, eles trabalharam para deixar o estádio em condições de receber o velório coletivo. Paralelamente, a empresa de cerimônias contratada finaliza a estrutura no gramado para receber os caixões.
A expectativa é que os corpos cheguem ao Brasil entre sexta e sábado. A Chapecoense preparada um velório coletivo na Arena Condá. A previsão é que cerca de 100 pessoas acompanhem o acontecimento.

Nenhum comentário:

Postar um comentário