cv

cv

quinta-feira, 17 de novembro de 2016

Sai resultado dos projetos inscritos no Edital de Eventos Calendarizados


O resultado da análise de mérito dos projetos inscritos no Edital de Eventos Calendarizados da Secretaria da Cultura da Bahia foi divulgado, tendo sido selecionadas 15 propostas com validade para o próximo triênio (2017-2019). O detalhe é que foi liberada uma suplementação de recursos de pouco mais de R$ 219 mil, anuais, além dos R$ 3 milhões/ano já investidos. A linha de fomento tem o objetivo incentivar a realização de atividades culturais consolidadas, com a formação de um calendário que contemple os diversos segmentos da cultura do Estado.

Os projetos vencedores contarão com o apoio do Fundo de Cultura da Bahia. A análise de mérito foi realizada por uma comissão formada por especialistas nas diversas áreas da cultura e analisou 66 propostas que envolvem iniciativas culturais consolidadas. O teto de investimento é de R$ 300 mil por edição de cada projeto. São considerados eventos calendarizados as iniciativas realizadas por pessoas jurídicas, com temática cultural específica ou diversificada, sob a forma de bienais, colóquios, conferências, painéis, festivais, entre diversos outros formatos com periodicidade anual e duração superior a um dia.

Foram selecionados os projetos: Festival de Jazz do Capão, Festival Internacional da Sanfona, Vivadança Festival Internacional, IX Festival Internacional do Chocolate e do Cacau da Bahia, Festival Internacional dos Artistas de Rua, Panorama Internacional Coisa de Cinema, Fenafits – Festival Nacional de Teatro Infantil de Feira de Santana, Mostra Cinema Conquista, Encontro de Cordas do ICED, Festival de Dança de Itacaré – ano IV, XXVII Cantoria de São Gabriel, IC Encontro de Artes, Fiac Bahia, Semana da Cultura Territorial de Conceição do Coité – Circuito das Artes do Sisal, Filte Bahia 10 anos e Mais – Festival Internacional Latino Americano de Artes Cênicas da Bahia.

Os proponentes agora terão que apresentar a documentação necessária para o conveniamento. Presidente da Comissão de Mérito, o superintendente de Promoção Cultural da SecultBA, Alexandre Simões, disse que os projetos inscritos mantiveram o nível de qualidade da edição do triênio anterior (2012-2015), que foi prorrogada até 2016. “Esse é um dos editais mais representativos do Fundo de Cultura, pois permite a formação de um calendário cultural anual diversificado, garantindo aos realizadores estabilidade e possibilidade de planejar com tranqüilidade as edições, o que fortalece os empreendimentos e garante ao Estado maior visibilidade”.

Atualmente, 11 projetos são beneficiados com o edital e é consenso entre os agentes a importância desta linha de fomento para a realização dos eventos e organização das agendas. A gestora cultural e titular do Conselho de Cultura da Bahia, Ana Vaneska, fez parte da Comissão Temática e acredita que o edital auxilia na consolidação de um calendário artístico-cultural para o Estado. “É uma linha de fomento bastante importante, pois garante o oxigênio necessário para que os produtores possam aperfeiçoar seus projetos. O recurso por triênio fortalece as produções e se torna uma ferramenta fundamental para a viabilidade dos mesmos. Além disso, há o incentivo para a valorização de propostas do interior e das periferias, muitas de excelente qualidade nos mais variados gêneros estéticos”, salienta.

Indicado através de consulta pública, o documentarista Elson Rosário, acredita que o edital é uma linha evolutiva no fomento à cultura no Estado, permitindo aos projetos contemplados tranqüilidade de caixa para elaborar sua agenda. “O que observamos é que há um avanço quantitativo e qualitativo nas propostas que já não estão concentradas na Região Metropolitana de Salvador. O edital tem esse objetivo de colocar a Bahia dentro do calendário nacional de eventos culturais, permitindo o intercâmbio e uma programação mais bem elaborada”.

Fizeram parte também da Comissão Temática: Matias Santiago, coreógrafo e professor, diretor de Fomento da Secretaria da Cultura; Fábio Mendes, membro titular do Conselho de Cultura da Bahia; Luciana Vasconcelos, arquiteta e produtora cultural, representando a diretoria de Economia Criativa da SecultBA e Romualdo Lisboa, dramaturgo, ex-diretor do Teatro Popular de Ilhéus, Chefe de Gabinete da Fundação Cultural do Estado.

Fundo de Cultura do Estado da Bahia (FCBA) - Criado em 2005 para incentivar e estimular as produções artístico-culturais baianas, o Fundo de Cultura é gerido pelas Secretarias da Cultura e da Fazenda. O mecanismo custeia, total ou parcialmente, projetos estritamente culturais de iniciativa de pessoas físicas ou jurídicas de direito público ou privado. Os projetos financiados pelo Fundo de Cultura são, preferencialmente, aqueles que apesar da importância do seu significado, sejam de baixo apelo mercadológico, o que dificulta a obtenção de patrocínio junto à iniciativa privada. O FCBA está estruturado em 4 (quatro) linhas de apoio, modelo de referência para outros estados da federação: Ações Continuadas de Instituições Culturais sem fins lucrativos; Eventos Culturais Calendarizados; Mobilidade Artística e Cultural e Editais Setoriais. Para mais informações, acesse: www.cultura.ba.gov.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário