Em 2012, James recebeu 923 votos no Salobrinho. A votação expressiva foi uma resposta do bairro para o vereador Tarcísio Paixão, que havia sido eleito em 2008 e virou as costas para a comunidade.

James foi assessor de Tarcísio no mandato passado. Quando lançou a própria candidatura em 2012, capitalizou os votos dos que se revoltaram contra seu ex-chefe político.

Quatro anos depois, o Salobrinho deu apenas dez votos a James. O mais votado no bairro foi o médico Leonam (703 votos), do PSC.

James ficou a maior parte do mandato atual na base do governo Jabes Ribeiro. Com atuação legislativa praticamente inexpressiva, envolveu-se em casos polêmicos e controversos, como o episódio chamado popularmente de “caso cinquentinha”.

Em março de 2014, durante a sessão em que teve as contas do exercício de 2011 reprovadas pela Câmara, o ex-prefeito Newton Lima afirmou que James foi à sua casa para negociar a votação. Cada um dos outros quatro vereadores que seriam representados por James e o próprio supostamente receberiam 50 mil reais para votar a favor de Newton, que nunca provou a acusação de chantagem. Os acusados também não o processaram.

Esta matéria se baseou nos dados do TSE organizados por José Nazal (Rede Sustentabilidade), vice-prefeito eleito de Ilhéus.


gusmao