cv

cv

segunda-feira, 31 de outubro de 2016

Brasileiro relatou assassinato da família na Espanha para amigo em conversa; leia trechos

O brasileiro François Patrick Gouveia, 19 anos, que confessou ter matado e esquartejado os tios e dois primos pequenos na Espanha, narrou o crime por WhatsApp para o amigo Marvin Henriques Correia, 18 anos, que estava na Paraíba. Segundo a reportagem do Fantástico, a primeira mensagem foi enviada por volta das 19h06 no horário da Espanha.

Nas mensagens, Patrick conta que chegou a residência dos tios com duas pizzas e conversou com a tia Janaína Américo antes de matá-la. Em seguida, o brasileiro matou a prima de 3 anos e o primo de um ano. As mensagens começaram após os três primeiros assassinatos. 


Marvin e Patrick: os dois conversaram sobre o crime por WhatsApp
(Foto: Reprodução)



Os dois seguem conversando e Marvin aconselha Patrick a como sair do chalé, no condomínio de Pioz, onde o crime aconteceu. "Sai pela frente mesmo. De manhã, sai pela frente como se fosse caminha", escreveu Marvin. Durante a conversa, há um momento em que Patrick para de responder ao amigo, período em que o tio Marcos Campos chega em casa e os dois conversam por 30 minutos, antes dele também ser morto.


As mensagens chegaram à polícia porque Marvin não teve o cuidado de apagá-las. Um amigo a quem ele emprestou o celular encontrou as imagens que Patrick fez no chalé e com os corpos depois de cometer o crime e divulgou por grupos no WhatsApp. Essa pessoa, que não teve o nome divulgado, também seria amigo de Patrick. 



(Foto: Reprodução/TV Globo)



Dia 17
O crime aconteceu no dia 17 de agosto. Porém, os corpos só foram encontrados no dia 17 de setembro, depois que os vizinhos alertaram a polícia sobre o odor nas imediações da casa. Os corpos das vítimas foram encontrados esquartejados e colocados em sacolas. Nas mensagens, Patrick conta que usou luvas para matar os tios e primos, não deixando assim impressões digitais. 


Em depoimento, Marvin contou á polícia que Patrick não gostava do dia 17. Ainda assim, foi no dia 17 de outubro que ele se entregou à polícia espanhola. Após o crime, porém, ele fez uma tatuagem com o número 17 em algarismo romano. A Guarda Civil da Espanha investiga se o dia dos assassinatos foi coincidência ou premeditado pelo assassino.



(Foto: Reprodução/TV Globo)



Ainda nas mensagens enviadas a Marvin, Patrick demonstra surpresa com seu comportamento durante os homicídios. "Até duvidei de mim. Eu pensei que ia ter nojo, mas me convenci de uma coisa: eu sou um doente mesmo", relata. 



De acordo com o jornal "El Español", Marcos e Janaína foram mortos em retaliação a uma proibição do tio de que o suspeito morasse com eles no condomínio de Pioz. À polícia, porém, o brasileiro disse que foi tomado por um forte desejo de matar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário