A,M

A,M

quinta-feira, 22 de setembro de 2016

Lula vira réu na Lava Jato por corrupção


O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva virou réu pela segunda vez, nesta terça-feira (20), na Operação Lava Jato, após o juiz federal Sérgio Moro aceitar a denúncia contra o casal.

A denúncia do Ministério Público abrange três contratos da OAS com a Petrobras e diz que R$ 3,7 milhões em propinas foram pagas a Lula.

Também viraram réus na mesma ação a ex-primeira-dama Marisa Letícia, mulher de Lula; Aldemário "Léo" Pinheiro, ex-presidente da OAS; Paulo Okamotto, presidente do Instituto Lula; Agenor Franklin Magalhães, ex-executivo da OAS; Fábio Hori Yonamine, ex-presidente da OAS Investimentos; Roberto Moreira Ferreira, ligado à OAS e o arquiteto Paulo Gordilho.

Lula já responde a outro processo por atrapalhar as investigações sobre o petrolão. Caso seja condenado por Moro e em segunda instância pelo Tribunal Regional Federal, Lula se tornará inelegível pela Lei da Ficha Limpa.

Lula foi apontado pelo MPF como beneficiário direto de R$ 3,7 milhões de propina paga pela empreiteira OAS, em troca de contratos da Petrobras. O dinheiro foi investido na reforma do tríplex no litoral paulista, que seria destinado a Lula.

A OAS também pagou pelo transporte e armazenamento de bens pessoais do petista de Brasília para São Paulo, após o término de seu governo. Moro considera que há um "modus operandi consistente".

O ex-presidente usaria o nome de terceiros para ocultar seu patrimônio, o que teria ocorrido no caso do tríplex do Guarujá e também do sítio em Atibaia (SP), cuja propriedade está sob investigação.

O juiz menciona depoimentos de zeladores, porteiros, síndicos e até mesmo do pecuarista José Carlos Bumlai, amigo de Lula, como indícios da ocultação do patrimônio.

"Há razoáveis indícios de que o imóvel em questão teria sido destinado, ainda em 2009, pela OAS ao ex-Presidente e a sua esposa, sem a contraprestação correspondente, remanescendo, porém, a OAS como formal proprietária e ocultando a real titularidade."

Nenhum comentário:

Postar um comentário