A reforma do triplex também foi bancada pela OAS

Os depoimentos, que já foram colhidos pela Justiça, de funcionários de uma empresa contratada para executar a reforma do apartamento confirmam a presença de pessoas ligadas a Lula, como a esposa do ex-presidente, Marisa Letícia e o filho de Lula, Fábio Luís, que é conhecido como Lulinha. Este fato ocorreu em 2014. Além da mulher e do filho de Lula, esteve presente na mesma ocasião, um terceiro homem, que foi identificado posteriormente como sendo o próprio Léo Pinheiro, que na época, era presidente da OAS.

A presença de Lula e de seus familiares era propositadamente ocultada dentro do condomínio

Outras declarações colhidas de engenheiros e outros funcionários que trabalharam no interior do prédio, mostram que havia um verdadeiro esquema que parecia proteger a presença de Lula e de seus familiares. Além disto, as declarações colhidas oficialmente aponta que somente os familiares de Lula estiveram no interior do apartamento. 

Em uma das visitas finais, parecia que estavam conferindo os últimos detalhes da reforma antes de ocuparem o imóvel. Outro fato que pesa contra o ex-presidente são os comprovantes de pagamento da reforma da cozinha pela construtora e que estão em poder do Ministério Público.

O imóvel continua no nome da OAS e no último mês de novembro, a família anunciou que não iria fechar o negócio da compra do apartamento. 

Apesar dos indícios fortes contra Lula, o promotor declarou que espera uma manifestação formal do acusado sobre o fato. Isto também é questionado pelo advogado Cristiano Martins. Já o advogado da OAS, Robero Telhada, afirma que a empresa nunca trabalhou para favorecer o ex-presidente. O imóvel, que atualmente está à venda, foi reservado para a esposa de Lula. Entretanto, a mesma desistiu da compra.