A,M

A,M

quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

Pai prefere não revelar onde estava quando filho caiu de apartamento em Brotas



O pai do menino de 5 anos que morreu ao cair do 6º andar do prédio em que morava prestou depoimento na tarde desta terça-feira (1º) e não quis dizer onde esteve nas duas horas em que deixou o pequeno Guilherme sozinho no apartamento da família. O engenheiro de produção Rafael Yokoshiro preferiu se manter em silêncio sobre este assunto, segundo a delegada Maria Dail. Na saída, Rafael preferiu não falar com a imprensa. 

Também em depoimento, o porteiro do prédio afirmou que o pai já tinha saído outras vezes durante a madrugada. Já Rafael optou por não falar detalhes da noite da queda - a versão dada a ele para familiares, de que teria saído para buscar atendimento em uma emergência médica, também não foi citada por Rafael.

"O porteiro fala que já viu ele algumas vezes durante a noite chegando ou saindo. O abandono da criança ele realmente reconhece que vacilou, que teve esse descuido", afirmou em entrevista à TV Bahia a delegada. "O principal são os laudos. O laudo pericial e o laudo cadavérico da criança, que acredito devem ficar prontos dentro de 20 dias".

Pai de menino que morreu ao cair de edifício em Brotas saiu para ir ao hospital, diz tio

A perícia analisou a rede de proteção da janela de onde o garoto caiu. Além das pegadas, uma tesoura, também está sendo analisada pelo DPT. O objetivo é identificar se há impressões digitais nos objetos e o peso suportado pela rede de proteção. Depois que este resultado ficar disponível, será anexado ao inquérito e o caso será encaminhado à Justiça.



Rafael e o filho Guilherme
(Foto: Reprodução)

Relembre
Segundo informações da polícia, Guilherme ficou sozinho em casa, dormindo, enquanto o pai, o engenheiro Rafael Yokoshiro, 30, saiu de casa durante a madrugada. Durante o enterro, o tio do menino, Cristiano Gouveia, 42, disse que Rafael saiu de casa para buscar atendimento médico após sentir dores na perna. A mãe de Guilherme, a enfermeira Carla Verena Oliveira, 33, trabalhava no momento em que o filho morreu. 

Carla também foi até a delegacia prestar depoimento. À polícia, a enfermeira informou que o marido era atencioso e que sempre demonstrou cuidado com o filho. Ela também considerou a morte uma fatalidade, e disse desconhecer o motivo da saída do esposo durante a madrugada.

Nenhum comentário:

Postar um comentário