A,M

A,M

sexta-feira, 30 de outubro de 2015

'Ele está feliz lá', diz irmã de homem que vive em buraco há 25 anos


Raimunda Tereza Calado é irmã de Antônio Calado, que vive dentro de um buraco há 25 anos, em Goiás (Foto: Aline Caetano/TJ-GO)
Antônio com a irmã: segundo ela, nenhum dos dois gosta muito de foto (Foto: Aline Caetano/TJ-GO)
Por inúmeras vezes, a dona de casa Raimunda Tereza Calado, de 37 anos, tentou tirar o irmão, Antônio Francisco Calado, de 57, do buraco onde ele vive desde 1990, em uma pequena propriedade rural de Nova Roma, no norte de Goiás. Mas todas elas foram em vão. A conclusão a que a mulher chegou é que é "impossível" fazê-lo sair e que é mais fácil tentar criar uma infraestrutura no local para que o homem viva melhor.
A situação de Antônio motivou uma visita do juiz Everton Pereira Santos, na última terça-feira (27). O magistrado foi ao local e pesou a situação ao julgar procedentes dois pedidos de pensão pela morte dos pais e de interdição judicial, feitos pela irmã."Ele está feliz lá, daquele jeito. Sinto que se fizer isso, é capaz até dele morrer em pouco tempo e eu respeito isso. A força, eu não vou trazer ele. Cada um tem que viver como quer. O que eu desejo é dar uma condição melhor de água, alimentação e moradia", disse ao G1.
Também ajudou na decisão um laudo pericial apontado que Antônio tem esquizofrenia paranoide, doença mental que o fez considerar incapaz.
  •  
Juiz visita buraco onde homem vive há 25 anos para decidir sobre ação em Goiás (Foto: Divulgação/TJ-GO)Juiz visita buraco onde homem vive há 25 anos 
(Foto: Aline Caetano/TJ-GO)
Mortes dos pais
Raimunda revela que Antônio sempre morou com os pais em uma pequena chácara da cidade. Quando o pai morreu, em 2000, o homem já começou a ficar, como ela diz, "mais perturbado". Porém, foi com o falecimento da mãe, em 2012, que a situação piorou, pois eles eram muito ligados.
Segundo a dona de casa, o irmão começou a cavar o buraco há 25 anos sem nenhum motivo aparente. "Ele ia lá, cavava e voltava para casa. Mas quando terminou resolveu morar lá. Ele nunca gostou de casa. Quando vai à minha, dorme no quintal, embaixo de um pé de manga", conta.
Caçula de 14 irmãos - dos quais três já morreram -, Raimunda é a familiar mais próxima de Antônio. Alguns irmãos, que moram em outros estados, pouco procuram saber informações sobre o parente.
Melhorias
Como curadora de Antônio, a irmã vai administrar os dois salários mínimos mensais a que o homem agora tem direito. Além disso, ela vai ter que empregar e prestar conta dos R$ 70 mil, referentes ao período retroativo. De acordo com o judiciário, o MP deve monitorar os gastos.
Ela diz que a ideia é construiu um barraco no local, mesmo que Antônio não viva nele. Outra ideia é fornecer água tratada para o irmão e alimentos com mais qualidade para que ele não se alimente apenas da pequena horta que cultiva.
'Ele está feliz lá', diz irmã de homem que vive em buraco há 25 anos em Goiás (Foto: Aline Caetano/TJ-GO)Segundo irmã, é impossível tirar Antônio do local (Foto: Aline Caetano/TJ-GO)
"O que sinto por ele é amor. Faço qualquer coisa e corro atrás de tudo que estiver ao meu alcance para dar o melhor para ele", define.
Visita do juiz
A situação encontrada no local deixou o juiz Everton Pereira Santos intrigado. "Olha, é uma situação muito peculiar, indescritível. Ao mesmo tempo em que ele aparenta ter muita inteligência para usar técnicas na construção do buraco e manusear ferramentas, demonstra aparentes delírios, dizendo que conversa com os raios e trovões", disse ao G1.
Segundo o magistrado, Antônio não fala "coisa com coisa" e não consegue estabelecer uma linha de raciocínio clara e linear. Apesar disso, mostra lampejos, principalmente relacionados à construção, que fazem Santos acreditar até em coisa de outro mundo.
"Ele criou um sistema para que a água da chuva não entre no buraco e ele poder utilizá-la depois. É fantástico. Quem ensinou isso para ele? Tenho a impressão que ele tem contato com outro ser. Ele se inspira em alguém, é muito estranho", diz.
A residência de Antônio também impressionou o juiz. A construção, em formato oval e com aproximadamente 8 m², tem os cômodos divididos e só é possível chegar a pé. Ao entrar, existe a sala. De um dos lados, um oratório com duas imagens de santos e do outro o quarto, onde ele dorme sobre um pedaço de madeira com panos velhos.
Juiz visita buraco onde homem vive há 25 anos para decidir sobre ação em Goiás (Foto: Divulgação/TJ-GO)Antônio mostra a entrada de sua 'casa' em Nova Roma (Foto: Aline Caetano/TJ-GO)

Nenhum comentário:

Postar um comentário